segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

O Amor Esquece de Começar

Fabrício Carpinejar dispensa apresentações. Dispensa porque usa uma linguagem única. Ou quase. O estilo de escrita usado por Carpinejar, já era usado pelos mestres: Rubem Braga, Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira.

Nacionalmente reconhecido, o poeta, Fabrício optou por, também, escrever outro gênero: crônicas. E se deu bem. Em O Amor Esquece de Começar - sua estréia na prosa, o lírico está inserido na prosa com uma significância magistral. Cada crônica presente na obra foi redigida por um indivíduo que presta atenção em tudo a sua volta: desde as situações mais banais do dia-a-dia até as que exigem um olhar mais apurado, ou seja, crítico.

O padrão estético usado por Fabrício Carpinejar é sutil e irônico mas, ao mesmo tempo, pode-se afirmar que há humor na sua prosa. Um humor leve, assim como as crônicas de Antônio Maria. "Solidão não é prejudicial à saúde", "Leveza" e "Deixe-me dançar a sua vida" são apenas algumas das crônicas onde se percebe o talento nato de Carpinejar com a escrita. O leitor só precisa se permitir duas coisas: ser levado pela sensibilidade e emoção a flor da pele que certamente estarão mais expostos após a leitura desta obra singular. Até os leitores menos nostálgicos irão se render.




3 comentários:

Karen Drago disse...

Kelli! Tu expressou bem o que o Fabrício me faz pensar que é a literatura dele... este lirismo-humor-bem escrito!

Andrea disse...

Esse vai para a lista de futuras compras literárias.

Teresa Azambuya disse...

Carpinejar sempre é uma ótima leitura. Como a Kelli disse, ele é ótimo nesse estilo de crônica que escreve, mas, ainda assim, o prefiro como poeta.
bjs!