sábado, 25 de março de 2017

O Papai é Pop



Para fazer um filho são necessárias duas pessoas. Curiosamente as palavras filhos e maternidade parecem ser a mesma coisa, transformando assuntos como educação, birras, rotina e escolhas quase como se fossem assuntos exclusivos de um universo feminino.

Marcos Piagers quebra este paradigma com suas colunas semanais em um jornal do Rio Grande de Sul de tal forma que elas viraram livros. E sim, vale a leitura para todos os tipos de público, de quem já tem ou terá filhos ou de quem já assinou o termo de que nunca irá beber desta água.

O primeiro volume apresenta aos leitores um filho sem pai, que aprende todos os dias com as mulheres que estão em sua vida, como sua mãe, sua esposa e suas duas filhas. Não é autoajuda, nem manual de como se criar um filho, são situações do cotidiano, ora engraçada, ora opinativa, fragmentos da rotina familiar de quem faz escolhas e opta em tentar acompanhar mais a vida das filhas.

É um livro sobre emoções simples, momentos ora felizes, ora constrangedores. Sobre culpa e responsabilidade. Sobre tentar e dividir. E principalmente, sobre filhos e paternidade também serem a mesma coisa quando o pai também ocupa o seu espaço.

Livro super-rápido de ler, narrativa leve e fluída, inspiração para sorrir e ao mesmo tempo repensar alguns valores.

O Papai é Pop
Marcos Piangers
Editora Belas-Letras
2015 - 101

domingo, 5 de março de 2017

Rita Lee uma autobiografia



Quando eu era pequenina no século passado eu perguntava para a minha mãe por que o meu nome não era Rita Lee de Carvalho? Na vida adulta, consegui assistir alguns shows da rainha do rock brasileiro, e quando minha mamãe noel me perguntou o que eu queria de natal pedi a sua autobiografia.

Rita conta sua história de forma rápida, o texto em nenhum momento é cansativo, eventualmente há um vai e vem no espaço. Se o livro começa divertido (embora tenha um episódio pesado logo de início), ele começa a ficar deprê conforme ela conta suas idas e vindas de internações ora derivadas de drogas, ora da bebida. Mas em nenhum momento o leitor irá às lágrimas. Mesmo quando a página é triste, ela não resiste em escrever uma gracinha. Fofa!

A cada página vemos uma cantora criativa, inteligente que hora se acha diva hora tem um complexo de inferioridade. Uma mulher-criança sem limites, o que a permitiu inovar ao mesmo tempo em que brincava com a própria mortalidade. Frágil perante as perdas, o tipo de pessoa que parece sempre precisar de colo.

E neste lado Roberto e os meninos passaram por momentos difíceis. Não sendo à toa a importância das mulheres de sua família na criação do trio. Além disso, Rita parece ter achado um tipo raro de homem, e sim, a história deles me fez acreditar em almas gêmeas.

Nos últimos anos de show, quando ela diz já estar no automático, lembrei-me do meu marido reclamando que eram sempre as mesmas músicas e conversas (para quem gostava do tremendão, Ritinha foi comparada ao Roberto Carlos neste caso).

O lado negativo do livro é o fato de ser autobiográfico. Como ocorreu com Sidney Sheldon, em alguns momentos parece que enxergamos apenas a ponta do iceberg, ali está à memória (que gosta de nos aplicar peças) e o quanto você realmente quer se entregar. Para o bem ou para o mal ali encontramos somente a visão dela. E cá entre nós, Rita era digna de uma biografia ao estilo do Paulo Coelho, por tudo o que ela viveu. 

Santa Rita parou enquanto ainda estava no auge. Agora vovó do Rock tirou alguns de seus lenços, mas assim como as botas roubadas e os figurinos eternamente emprestados que hoje estão guardados, me parece que muita história ficou apenas nas músicas.

O livro é para se divertir com ela contando pequenas histórias, se apaixonar um pouco mais por sua língua afiada, e saber alguns detalhes que a tornaram ovelha negra da família. Nem mais, nem menos.

Rita Lee uma autobiografia
Rita Lee
Globo Livros
2016 - 294 páginas

sábado, 11 de fevereiro de 2017

A Rainha do Sul


Sem escolhas, sem sentimentos, apenas seguir as correntes marítimas para depois descobrir onde vai estar.

Teresa Mendonza era jovem quando foi atirada neste mar e começou a correr da morte. Mulher de um piloto do tráfico de drogas, ela é automaticamente sentenciada após descobrirem uma traição dele aos seus patrões.  Sua frieza e esperteza a levam para o outro lado do oceano, com uma oportunidade de recomeçar.

Na Espanha acaba novamente se tornando mulher de transportador do tráfico, mas a mexicana como é chamada não se contenta em ficar a sombra, e no decorrer da história apenas os desatentos irão achar que ela virou a Rainha do Sul por obra do destino. A inteligência e a frieza de Teresa são o combustível para torna-la uma das mais poderosas do ramo.

Misturando fatos reais e ficção, ora narrando pela visão de Teresa, hora do autor, A Rainha do Sul coloca o leitor no mundo das drogas, circulando entre pistoleiros e políticos, os que buscam fazer um trabalho sério e os que querem viver bem. Da pobreza mexicana as mansões na Europa, estupro, acerto de contas, fidelidade, traição, O Conde de Montecristo, narcocorridos e muita droga são os recheios das mais de quinhentas páginas.

Confesso que demorei bastante para ler este livro, apesar de bem escrito, ele não captava a minha atenção, Teresa não é carismática, o que talvez explique na minha leitura, sua solidão dentro e fora das páginas. Até o momento em que ela precisa amarrar algumas pontas soltas. Neste momento pouco mais de cem páginas foram devoradas rapidamente. Quando Teresa se reencontrou eu finalmente a entendi.

A Rainha do Sul
La Reina del Sur
Arturo Pérez-Reverte
Tradução Antonio Fernando Borges
Editora Record
517 páginas - 2002