domingo, 9 de dezembro de 2012

Os Crimes do Mosaico

O leitor está em Florença. O ano é 1300. A cidade é comandada por um grupo de priores. Mas quando ocorre um assassinato brutal em uma obra, a guarda principal opta me chamar um deles pelo seu conhecimento: o poeta Dante Alighieri.
A vítima é um mosaicista chamado Ambrogio, conhecido por diversos trabalhos. Morto em seu local de trabalho, com seus próprios materiais, tudo leva a crer que o motivo é o seu trabalho atual, um estranho mosaico inacabado.
Essa é a cena inicial do thriller de Giulio Leoni, que ao transformar Dante em um detetive, leva o leitor pelas ruas de Florença em busca da chave para desvendar esse grande mistério, que envolve um grupo de homens de diferentes áreas dispostos a criarem uma universidade da cidade, uma dançarina que transpira sexualidade e segredo, levando o poeta a esquecer por alguns momentos sua Beatrice, além de grandes debates sobre o mundo e Deus.
Em paralelo, homens do papa Bonifácio chegam a Florença com a intenção de domina-la, fazendo com que Dante precise dividir os seus pensamentos entre a busca pelo assassino e evitar que homens em busca do poder absoluto tomem a sua cidade.
Na história Dante é grosseiro, amargurado e endividado. O seu saber muitas vezes o faz humilhar aqueles que julga ignorante, como o chefe da guarda. Como não conheço o suficiente da história do poeta e político, apenas que ele realmente enfrentou o papa Bonifácio e por isso acabou exilado, morrendo sem nunca mais pisar em sua amada cidade, ficou a dúvida se esse era o perfil real ou apenas uma pitada para tornar o personagem da ficção mais interessante.
Os Crimes do Mosaico é um livro bem escrito, que pode levar o leitor a pensar sobre diversos aspectos e ao mesmo tempo leva-lo a conhecer um pouco da antiga Florença. Mas ao mesmo tempo ele não me prendeu. Gostei da história, mas não fiquei com aquela vontade de ler novamente ou curiosa por outro livro do escritor. Não sei se foi o período escolhido pela leitura, mas o fato é que me despeço da última página sem dor.

Os Crimes do Mosaico
Giulio Leoni
Tradução Gian Bruno Grosso
Editora Planeta
2004 – 379 páginas

Nenhum comentário: