sábado, 26 de julho de 2014

A Culpa é das Estrelas

Hazel Grace tem 16 anos e tireoide com metástase nos pulmões. Ela também é obcecada por um livro chamado Uma aflição imperial e assiste a todo santo dia um reality show de modelos. Frequenta um grupo de apoio obrigada por sua mãe, que acredita ser um local de amizades para sua única filha.

Em um dos encontros ela se depara com um rapaz que irá mudar a sua rotina: Augustos é um jovem que perdeu sua perna e o basquete para o câncer. Bonito, está apenas acompanhando o amigo Isaak que ficará cego em breve. Uma troca de olhares, breves palavras, um convite, e a paixão quando não se espera mais nada.

A Culpa é das Estrelas é um livro de adolescentes, mas não só para adolescentes.

É sobre o amor, mas também é sobre morte.

É sobre perdas, mas também sobre ganhos.

Correr atrás dos sonhos, que podem ser próprios, ou serem compartilhados.

A leitura é rápida, apesar de pesada. Muitos parágrafos são um soco no estômago. Existe alegria, mas sempre acompanhada de uma sombra de tristeza. É por isso que ao contrário da afirmação de Marcus Zusak, eu não consegui rir, e também não chorei.

Apenas senti o coração apertado, em relação à Hanzel, Augusto, Isaak e os pais, papéis secundários que tentam não ficar apenas com a saudade.

Não é um livro para relaxar. E sim para repensar. Ao chegar à última página, você pode refletir sobre os personagens ou sobre a própria vida. Talvez fique satisfeito, ou sinta uma vontade enorme de recomeçar.

O único fato absoluto é que não há como ficar indiferente ao término da leitura.

A Culpa é das estrelas
The fault in our stars
John Green
Tradução Renata Pettengill
Editora Intrínseca

2012 – 286 páginas

Um comentário:

Karen Drago disse...

O livro dá aquele sentimento de que tua vida não é ruim e, por mais dificuldades que existam, é a TUA vida e só tu pode pegar essa lã e fazer um casaco. =)